Tem coisas na vida que a gente não perde…

a gente se livra! 

é assim que eu começo esse post após, aproximadamente, 1 mês e meio sumida.

635916867993746297-2108491649_Arms-wide-open

Não é um agradecimento a vida, muito menos à tudo que esta acontecendo atualmente no nosso cenário brasileiro. Sabe aquela velha história do “menos é mais”? Então.

Tem coisas na vida que acontecem por acaso, regados a dor, a melancolia, a tudo que traz negatividade. Tem momentos que precisamos se deparar com esses acontecimentos e erguer a cabeça e seguir em frente. Projetos, sonhos, dúvidas: tudo levado pelo vento; para bem longe.

Nem tudo que reluz é ouro; nem tudo que brilha é purpurina. Tem coisas na vida que despertam a insegurança e fazem a gente crescer, cada vez mais. Acabamos descobrindo quem somos, o que gostamos, o que queremos e o que fazemos de errado no nosso dia a dia. Perdemos uma coisa, ganhamos outra. Reclamamos de uma rotina, recebemos em troca muitos amigos e diferentes acontecimentos na vida. Nem sempre as coisas são como parecem ser.

Conhecer alguém, se envolver, abrir o coração, compartilhar desejos e anseios. Depois descobrir como a pessoa realmente é, colar os cacos quebrados da rotina despedaçada e recomeçar. É tempo de renovar a vida, renovar o casulo, renovar as palavras, renovar os sentimentos. RE-NO-VAR.

Trocar a festa pela trilha, a trilha pela sorveteria, a sorveteria pelo cinema, o cinema pelo restaurante e o restaurante pelo Netflix. Há tempo de sonhar, curtir, festejar, encontrar novas pessoas, novas palavras, novos sentidos, novas alianças e novos temores.

Ter medo, som alto, viver a vida. Sem ter medo de ser feliz. Mais uma vez: arriscar. Sem ter medo de ser feliz, sem ter medo do que pode vir a acontecer.

“Nada é por acaso”. Ensinamentos, vidas refletidas em nossos corações, problemas, mágoas, amor, carinho, sorrisos, amigos. Tudo é uma recordação de tempos que se foram e não voltam mais. O novo chegou e precisamos encontrá-lo/procurá-lo/conhecê-lo/admirá-lo/entendê-lo/ -lo.

[A vida é mais do que uma submissão prazeres] 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *